Olá gurizada, tudo bem com vocês ? Aqui é a Elisa.

Hoje eu vim apresentar para vocês o Cookie e falar um pouco sobre um assunto tão importante: adoção de animais.
Estou a 6 meses no Porto e já adotei um cachorro, pode até parecer precoce para uma recente mudança de vida. Mas a felicidade de ter um novo filho é demais.

Hoje irei contar um pouco sobre minha saga até encontrar o Cookie Nelson (ou Cookie de Baunilha, entenda que eu e Erick amamos dar nomes diferentes para nossos filhos).

Adotar é um ato de amor, se você não pode adotar algum animalzinho por qualquer motivo, ajude as Ongs com ração, dinheiro, voluntariado ou apenas carinho. Eles precisam disso.

Como eu decidi que queria adotar.

Como tudo começou? Foi quando percebi que estava me sentindo muito sozinha em casa, praticamente não saia, nem para tomar um solzinho de inverno. E uma mudança tão radical te deixa um pouco vulnerável e frágil. Não que eu tivesse uma vida agitada no Brasil – eu não tinha – mas aqui como aqui eu ainda estou no processo de documentação (aguardando para fazer o reagrupamento familiar), acabei ficando mais em casa do que devia.

Um dos maiores empecilhos para encontrar o Cookie, foi devido ao tamanho e a idade. Moramos em um apartamento minúsculo e um cachorro de porte grande não seria possível. Sobre a idade, queríamos um filhote para ensinar a fazer “xixi e coco” no lugar certo. Fiquei 2 meses a procura do Cookie.

A nosso processo de adoção acabou sendo um pouco mais demorado por ser final do ano e com as festas as pessoas simplesmente abandonam os animais, e também porque as associações procuram não entregar os animais nessa época, acredito que devido aos casos recorrentes de abandono e todo stress e agito das festas. Não custa repetir: por favor, não abandonem seus animais! 🙁
Quero deixar claro aqui que adoção é uma coisa séria! Você estará se comprometendo com uma vida, por pelo menos uns 15
anos. Lembre-se que ele irá  precisar de amor, carinho, atenção e muito cuidado.

Ter um animal é como ter um filho. Não é brincadeira, você não poderá se cansar e devolver, vou focar um pouco nisso pois eu acredito muito na lei do retorno, a partir do momento que você se responsabiliza por uma vida e depois se “cansa” dela e simplesmente o abandona, acredite, isso irá retornar a você.

Encontramos o Cookie no OLX, uma guria colocou o anúncio no dia 3 de janeiro e no dia 4 já estava com ele em meu braços. Tive uma sorte imensa, pois ele veio vacinado e desparasitado, só precisou de uma última vacina e já estava tudo ok. Pegamos ele com 4 meses de idade.

Confesso que ele é mais agitado do que imaginava, mas tudo se resolve com um longo passeio pelo parque.
As pessoas aqui, principalmente os mais velhos, amam animais. Simplesmente te param na rua para “festar” com seu cachorrinho, então é normal eles te pararem e começarem a coneversar sobre cachorrinhos. O bom que você acaba até fazendo nova amizades. 

Não sabemos a raça do Cookie, pois a menina que estava com ele, pegou de uma amiga, que pegou ele da rua. Mas muita gente fala que ele é um Podengo Português, mas até então ele é um rafeiro (o nome que dão para cães sem raça definida).

Como eu consigo achar um animal para adoção?

Geralmente, costumamos conhecer associações e meios para possíveis adoções no lugar onde moramos, como aqui falamos sobre mudanças e um novo país eu tive que fazer algumas pesquisas para achar o meu Cookie. Aproveito e deixo aqui os links das ongs, se caso você adotar ou possa ajudar de alguma forma:

Olx : onde eu consegui o Cookie, é possível encontrar vários anúncios de pessoas doando cães e gatos.

Midas : é uma assossiação linda, você preenche um cadastro e eles entram em contato contigo.

Adopta-me : Funciona como um portal onde quem quer doar cadastra o animal e você consegue buscar um para o seu perfil, seja por localidade, tamanho, idade etc. Além disso muitas associações também anunciam por lá, então é um meio rápido e bem mais fácil de encontrar seu novo amigo.

Espero imensamente que em 2018 você possa dar amor e carinho para qualquer animal, pode ser adotando ou apenas se voluntariando.

Aproveito a situação para comentar sobre o Pietro, ele é filho da Andressa, uma leitora nossa e teve um problema ainda mais sério que o do Fred e infelizmente precisou de cirurgia e muitos outros cuidados. Deixo aqui a vaquinha para caso você possa, contribua para que ele tenha todos os cuidados necessários.

Um grande Beijo de uma Guria em Portugal! E um lambeijo todo especial do Cookie.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *